A Marfrig e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) anunciaram dia 27 o lançamento da marca Viva, uma nova linha de carnes com atributos de sustentabilidade. Desenvolvida pela Embrapa, a carne carbono neutro (CCN) é uma certificação do gado criado em sistemas de integração do tipo silvipastoril (pecuária-floresta) ou agrossilvipastoril (lavoura-pecuária-floresta, ILPF). A principal finalidade da marca-conceito CCN é atestar a produção de bovinos de corte em sistemas com a introdução obrigatória de árvores como diferencial.

Para desenvolver a Viva a Marfrig investiu cerca de 10 milhões de reais. Os recursos foram alocados em pesquisa, certificação de propriedade, construção da marca, construção dos padrões de corte, divulgação, royalties, entre outros. A linha será vendida, a partir deste mês de forma exclusiva em 10 lojas selecionadas do Pão de Açúcar na cidade de São Paulo, e posteriormente para todo o País.

“Ao incentivarmos a produção sustentável geramos valor para a empresa e para a cadeia de negócios. Além disso, o desenvolvimento da carne carbono neutro, em parceria com um dos mais respeitados centros de pesquisa e de inovação do agronegócio mundial – a Embrapa, reafirma o nosso compromisso com quatro dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU ” diz Miguel Gularte, CEO da Marfrig.

Sob o ponto de vista do produtor, as vantagens da integração pecuária-floresta são evidentes não só em termos de ganho para o meio ambiente, mas também em conforto animal e produtividade. “A certificação CCN coroa a nossa dedicação a um projeto de integração que iniciamos em 2009”, diz Arthur Pollis, presidente da Santa Vergínia Agro, primeira propriedade rural no Brasil certificada com o selo CCN e fornecedora de gado para a Marfrig, no estado de Mato Grosso do Sul.

Para a Embrapa, a produção de carne carbono neutro fortalece o mercado interno e, futuramente, a exportação de carnes para países exigentes, diferenciando o produto brasileiro em questões de sustentabilidade. O conceito pode impulsionar a exportação, principalmente para o mercado europeu, que é muito exigente “É um projeto que conta com a participação de 12 centros de pesquisa da Embrapa, envolvendo uma rede de mais de 150 pesquisadores e ainda diversas instituições. O agro será o motor da retomada brasileira e vai precisar de parcerias como essa, unindo esforços dos setores público e privado”, enfatizou Celso Moretti, presidente da Embrapa.

Fonte: Embrapa